A river runs through it

Ontem eu fui pescar de vadeio no Ribeirão Encano, no Encano Central (eu pesco na modalidade fly fishing. A Bianca, fotógrafa da vida selvagem e minha padawan, não quis pescar, ao invés, passou o tempo fotografando, comendo “tanjerinas” selvagens, filmando e explorando os locais, além de ser a minha fotografa oficial.

Quando eu já tinha capturado (fotografado e soltado) o primeiro lambari, apareceu o Sr. Fritz local, que se chama Fritzke, mas essa pronuncia também é só o que a Bianca entendeu, pra mim continua sendo só Fritz, rs. O tal homem chegou no rio cheio de marra, dizendo que não se podia pescar ali, que pegaria a placa do meu carro e ligaria para a “Ambiental” e tudo mais. Bom, argumentei que tenho licença do Ibama, que estava praticando Catch & Release e que tinha sim o direito de pescar naquele local, afinal, margem de rio é de acesso público. Claro que argumentei com muito tato e educação. Mas nunca vou esquecer que quando eu disse que tenho licença do Ibama ele soltou: “Ahhhh mas vai dizê!” com aquele tom de deboche. Sensacional.

Mas ao perceber que eu falava sério, o Sr. Fritz deu meia volta e resolveu prosear mais com a gente antes de tomar atitudes tão radicais. Apontando para uma curva mais acima no rio, nos contou sobre uma cobra que mora por lá, que tem por baixo uns 12 metros e só a cabeça já era maior que um dos seus porcos de 300kg, contou a história de como um dia ela veio descendo o rio para se levantar 3 metros fora d’água e engolir numa só bocada uma capivara de mais de 20kg. Era realmente muito perigoso andar por aquelas bandas.

No meio da prosa com a Bianca, porque eu já tava caminhando ao encontro aos lambaris (e da monstruosa serpente devoradora de capivaras), o Sr. Fritz ofereceu “feijon” colhido 2 dias antes, e claro, “uns tanjerinas” da sua “plantaçon”. A Bianca combinou que queríamos sim, pegaríamos depois.

Fiquei feliz pela atitude do homem, que mais tarde se desculpou por ter chegado “ralhando” daquela forma. Explicou que tem muita gente que chega ali com suas tarrafas e mata tudo, ele achou que eu poderia ser um deles. Não sei qual é a graça em pescar com tarrafa, além de ser permitida somente para pesca profissional em algumas regiões, visa somente a produtividade, pegar o peixe e nada mais.

Pescar esportivamente – expressão que eu não gosto muito, mas que ainda é a única que se encaixa no que fazemos – não prioriza o fim, que é o peixe, prioriza o meio, que é a maneira de pegar o peixe e tudo relacionado a isso. Compreende o estudo das espécies, seus hábitos de reprodução e alimentares, o estudo do clima e ecossistemas das regiões, passando pelo estudo das fases da vida de tudo aquilo que serve de comida dos peixes pretendidos durante o ano. Isso só pra simplificar as coisas, no caso da pesca com mosca (fly fishing) tem muito mais. Caminhar pelo rio revirando pedras na tentativa de fotografar e posteriormente identificar ninfas de insetos e compreender o ciclo de eclosão durante o ano, entre outras coisas, também faz um bom pescador. Tudo isso proporciona ao cabra um extremo convívio com a natureza, o faz respeitá-la, e consequentemente desperta uma vontade incontrolável de preservá-la. Ninguém se interessa muito em preservar aquilo que pode, aparentemente, não lhe fazer falta, e é complicado de convencer alguém da falta que vai fazer o mico-leão-dourado ou o caranguejo real do Alaska. Sacaram como pescar é, além de prazeroso, muito educativo?

Mas voltando ao Fritz, depois de mais uma horinha pescando e antes de partir para outro ponto do rio, resolvemos subir até a casa do homem pra buscar o feijão recém colhido a 4,50 pilas o quilo. Minha nossa, o homem fala mais que a mulher da cobra e pobre na chuva juntos. Ele me mostrou seus porcos e o chiqueiro quase caindo, explicou que não consegue arrumá-los porque “a ambiental” quer cobrar 20 pilas por árvore que ele derrubar para usar a madeira, e isso porque ele vai plantar outras no lugar. “Mas eu não to roubando, to tirando da minha propriedade”. A “Ambiental” pelo visto prefere que ele compre a madeira pra arrumar o chiqueiro de porcos, isso lhe faz algum sentido? De onde viria a madeira que ele compraria? Heim? Fiquei pensando no que pode passar pela cabeça do pobre quando vê que a Amazônia ta indo pro saco, ta virando ainda mais grana na mão de milionário amigo de político, mas resolvi nem comentar.

Achei mais recompensador brincar com o piá loirinho de olhos azuis Willian, que o homem pronunciava algo como “VirrrRãm”, segundo eles eram 9 netos, e todos começavam com “V”, rs.

Anúncios
Marcado com: ,
Publicado em decolando
16 comentários em “A river runs through it
  1. DO disse:

    Admiro muito quem tem etsa disposição,JUNIOR. Não é meu caso,hehehe. Minha ansiedade me levaria a enfartar se ficasse muito tempo pesacando.

    Boa semana!

  2. Carol disse:

    Concordo com o comentarista acima. Deusquimilivre de pescar. FOra que eu já ia querer matar o alemão! Hehehehe…
    As fotos estão lindas!
    Bjs.

  3. Carla disse:

    Também devo confessar que pescaria não é, definitivamente, a minha praia, viu?
    Muito calmo e quieto pro meu gosto.
    Gosto de agitação, hehehe!
    Mas conhecer pessoas assim vale a pena, enriquece nossa vida.
    Bjao pra ti e pra Bianca.

  4. Lino disse:

    Pescar em rio, mesmo que só lambari, é uma delícia. Lembra a minha infância e juventude, quando fiz muito isso. Depois de adulto, fiz pouco. Mas admito que devia fazer mais. Afinal, é um ótimo relaxamento.

  5. Luma disse:

    Júnior, você conhece o Rio Sapucaí Mirim? Temos um rancho em uma de suas margens, ali pertinho em Minas Gerais onde acontece o Projeto Canoata Ecológica. Ontem eu vi as fotografias no flickr mas não deu tempo de comentar esta postagem. Conheço um monte de gente como o Sr. Fritz, gente simples e honesta que sabe dar valor à natureza. Afinal, é dela que tiram o seu sustento. Beijus.

  6. Tina disse:

    Oi Júnior!

    Eu NUNCA pesquei!!! (snif) e acho que deve ser uma coisa muito divertida. E você, pelo visto, está aproveitando… Continue assim.

    beijo grande e boa 4 feira,

  7. Flavia Sereia disse:

    Quem te viu e quem te vê, ou melhor quem te lia e quem tem lê rs. Chego aqui e nada de politica, só a vida na roça, eita vida boa heim!!
    Gostei do que vc disse:

    “Ninguém se interessa muito em preservar aquilo que pode, aparentemente, não lhe fazer falta, e é complicado de convencer alguém da falta que vai fazer o mico-leão-dourado ou o caranguejo real do Alaska.”

    Como tem gente que não entende quando a gente faz blogagem coletiva sobre a preservação de alguns animais, como foi das baleias.

    Eu já me tornei fã da Bianca, como ela também gosto de fotografar a vida animal, alias eu fotografo tudo que tem vida hehehe

    bjs

  8. Marcos disse:

    O Ibama, quando era uma outra sigla que nem me lembro mais, exigia uma taxa de reflorestamento dos madeireiros. Eles pagavam, mas o governo não replantava e quem saia como bandido era o empresário. Mais ou menos como aconteceu com a CPMF e mais um caralhau de impostos. Pagar, a gente paga, receber de volta em serviços é que são outros quinhentos.

  9. Oi, Junior, tudo bem ??
    Vim conhecer seu blog e estou convidando o pessoal para participar da Blogagem Coletiva Contra o Tabagismo, que acontecerá neste sábado, 31 de maio, que é o Dia Mundial Sem Tabaco ..
    Caso queira participar, tem as informações no meu blog, o selo com o post está na coluna à direita. Caso não possa também não tem problema, mas desde já agradeço a atenção ..
    Obrigado e independente da Blogagem espero que possamos manter contato, voltarei aqui mais vezes !!
    Abraço, até mais !!

  10. Carlos Emerson Jr. disse:

    No Rio de Janeiro nem pensar em pescar. Talvez aqui em Nova Friburgo, quem tem ótimos rios… muito interessante esta técnica, gostei.
    Um abração.

  11. Ana disse:

    Que diferenca do seu outro blog! As fotos da Bianca realmente sao show de bola! Adorei o piazinho alemao! 😉

  12. Donizete disse:

    Olá amigo a Luma indicou prá mim dar uma espiadinha pela sua pescaria. Muito legal a conciência do pescar e soltar. Somente assim nossos rios voltarão a ter peixes em abundância. Tenho um blog o pescacomigo.blogspot.com mas eu gosto muito é da natureza mesmo. Sempre que posso estou lá no campo me deliciando com sons dos pássaros, tirando uma soneca debaixo das árvores, vendo os animais.etc.
    A cada dia no campo ganhamos dois de sobrevida…

    Abraços.. sucessos.

  13. Rapá, que post bacana com fotos tão legais ! 🙂

  14. Silvia disse:

    Eita!! achei o seu novo blog!! Quantas novidades!! pronto, já tô atualizada. Manda bjs pra Bianca e pede desculpas pela encomenda falsa que fiz. Eu tava numa correria e não consegui me organizar direito pra fazer a encomenda pro Dia das Mães, mas não faltarão oportunidades!!

  15. Bruna disse:

    Oi Junioooor,

    Que inveja desse vidão. Adoro pescar, não faço isso desde criança quando meu pai me levava com ele. Bão dimais, sô!

    Adorei as fotos, o bonitão se exibindo com a pescaria. Parabéns pra Bianca, ela entende do riscado.

    Vou arrumar seu link, nem sabia que o Frigideira já era. Tava tão dissstante…rs

    Saudade!

    Beijo grande

  16. Magui disse:

    Tem que vigiar mesmo porque os destruidores da natureza em nome do prrazer andam soltos.Gostei da história para espantar intrusos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: