direitos humanos? não acredito!

Não acredito muito nessas coisas de direitos humanos, também não acredito em igualdade entre operários e industriais, entre negros e brancos, ricos e pobres. Não acredito em igualdade entre as pessoas (reli esse texto do link e pensei: não é que as vezes eu até consigo me expressar? rss).

Acredito e aposto as minhas fichas nas diferenças entre elas, aposto com você que são as diferenças que enriquecem, desde que saibamos o que fazer com elas (as diferenças). É aí que mora a nossa inteligência e não em fingirmos que tudo é igual.

A ONU, por exemplo, é uma celebração à diferença, uma ferramenta para nos ajudar a lidar com as diferenças, porque não existe igualdade. Religiões são diferentes, cores são diferentes, culturas são diferentes.

Pois é, na mesma linha eu não acredito em direitos humanos, não vejo razão escrever tais direitos. Meu coração acredita muito mais em algo que ainda não foi escrito, ou que pelo menos ainda não é celebrado.

Meu coração acredita nos deveres humanos.

Se todos cumprissem os deveres humanitários, sociais e morais não precisaríamos declarar os direitos humanos, se é que me entendem.

Esse texto faz parte de uma blogagem coletiva organizada não sei por quem (mas com adesão de muitos) que eu sabia que estava rolando mas não estava motivado a participar (porque sou assim mesmo) até que que topei com esse post da Bruna.

Anúncios
Marcado com: ,
Publicado em monstro da semana
10 comentários em “direitos humanos? não acredito!
  1. raquel a. disse:

    compartilho desse mesmo pensamento! aliás, nunca fui muito fã de “direitos”… sempre achei algo meio desaforado e autoritário.

    um beijo!

  2. disse:

    E olha que hoje em dia é muuuito dificil vermos cumprir os deveres humanos..
    dá até medo de ver onde a humanidade vai parar.. ainda bem que ainda existem pessoas e fatos que nos permite ainda acreditar em carater, moral e principios.. mas igualdade? muito difícil…

    Beijinhusss
    um ótimo dia! =*

  3. Carla disse:

    Como seres diferenciados que somos, seja em qual patamar for, o que vale mesmo é o respeito que devemos ter e receber em relação ao próximo e às situações que nos cercam.
    E se estamos falando em direitos, não esqueçamos dos deveres também, né?
    Bjo.

  4. Yvonne disse:

    Junior, acabei de fazer um desabafo lá no Luz de Luma comentando o quanto eu acho chata a blogagem coletiva. No meu comentário eu ressaltei que não gosto de vários blogs falando no mesmo assunto e que ainda assim eu leio porque sempre aparece alguém que dá um colorido diferente. Graças a Deus, você serviu de exemplo. O seu post sobre o Não-Direitos Humanos foi simplesmente incrível. É como as cotas para negros. Não haveria necessidade se a nossa sociedade fosse mais justa. Parabéns. Beijocas

  5. dctucci disse:

    Claro que entendi,JUNIOR. Eu não chego ao ponto de não acreditar na igualdade,mas adorei a frase : “Direitos humanos para Humanos direitos”!!

    Abração!!

    http://www.ramsessecxxi.blogger.com.br/

  6. Flavia Sereia disse:

    Concordo plenamente com vc, uma sociedade justa não precisaria de nenhuma organização de direitos humanos.
    O que a sociedade precisa é respeitar as diferenças de cada um. Alias nem preciso completar com mais nada, vc disse tudo e não tá prosa hehehe
    Já te falei que sou sua fã numero 1! rs
    bjs

  7. Luma disse:

    Acredito que a Declaração dos direitos humanos seja o ideal a que iremos chegar, com a boa vontade de todos e para isto, quem é mais consciente, deve por obrigação, tentar propagar as idéias e aplicação deste ideal fraterno. Infelizmente os homens não se preparam punir os maiores infratores do direito, no caso do Brasil, o próprio Estado.
    Acredito também que a união faz a força. Beijus

  8. tua conclusão foi perfeita.

  9. Lembro de uma história (digamos que seja uma história fictícia para não complicar)… Um “ladrão” entrou num casa, bateu numa cidadã e estava para estuprá-la quando seu irmão chegou com mais 4 amigos. Que coincidência (ou sorte? ou seja la o que for…)! Os 5 impediram que o cretino estuprasse a jovem e começaram a espancá-lo dentro de casa. Depois continuaram na rua. Outras pessoas chegaram e ajudaram. O criminoso se levantava, tentava correr e apanhava mais e mais. Num certo momento conseguiu chegar ao posto de gasolina da esquina. E vários continuavam a espancá-lo. Uma senhora de meia-idade que estava abastecendo seu carro, achou um absurdo o que faziam com aquele “pobre coitado”. Começou a dar sermões e o “coitadinho” sentado num canto. De repente ela soltou: “E os direitos humanos?” O melhor amigo do irmão da jovem, que foi agredida e seria estuprada se não tivessem chegado a tempo, olhou para a senhora e falou com desdém: “Porra de direitos humanos!”; em seguida chutou a cabeça do cretino, depois pisou num dos braços dele e com as mãos puxou para cima partindo-o e provocando (provavelmente) muita dor (depois fez o mesmo procedimento com o outro braço)…

    Hoje já não concordo com a atitude tomada acima por aquele jovem, mas uma coisa não mudou: “Porra de direitos humanos!”

  10. Lula disse:

    Gostei, também, do “Direitos Humanos para humanos direitos”, mencionado aí em cima pelo dctucci. É poraí mesmo.

    Beijão geral pra todos e boa sorte.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: